“Maçãs” do amor